.addthis_toolbox{text-align:center;}.custom_images a{width:32px;height:32px;padding:0} .addthis_toolbox .custom_images a:hover img{opacity:1} .addthis_toolbox .custom_images a img{opacity:0.50}

sábado, 27 de outubro de 2012

Lançamento do Livro: "SEDUZA-ME! As nuances do Amor."

Nenhum comentário:
Henrique Musashi Ribeiro
Aracati/Ce
      Depois de longa espera chega ao público, hoje, dia 27/10/2012, o primeiro livro do poeta, cronista e pensador Henrique Musashi Ribeiro. O Livro "SEDUZA-ME! As várias nuances do amor", que já está a venda em todo Brasil, pela internet, também poderá ser comprado no exterior pela editora Clube dos Autores. 



SEDUZA-ME!
As nuances do Amor 
Autor: Henrique Musashi Ribeiro 


Sinopse: 
Nesta edição o poeta Henrique Musashi aborda a poesia como instrumento de sedução compartilhando, em versos, experiências reais de relacionamentos de forma lírica com todos os sabores e dessabores que implicam o ato de amar. Este livro, em suas entrelinhas, fala de outro lado do “universo masculino”, desconhecido pela maioria das mulheres e geralmente negado pelos homens que o possuem. A sensibilidade e a busca do desejo comum pela felicidade. Tudo isso em versos e poucas prosas. Uma leitura no mínimo interessante e curiosa.


Compre aqui o livro 'Seduza-me! '


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

PROSA PÉRFIDA

Nenhum comentário:


PROSA PÉRFIDA 
De: Henrique Musashi Ribeiro - Em, outubro de 2002

Ela tinha apele e os olhos negros
Olhos mais escuros que a pele
Que diziam, hipnóticos, a minha mente
- Possua-me!
Olhos lascivos que não acalmavam,
Mas eram provocantes e amotinados
Juntamente com os seus lábios, mãos e língua

Transformar o que é plácido
Em lábios que se mordem e olhos serrados
Até conseguir ser, prazerosamente,
a própria vitima de sua caça.
E seu sorriso cínico se plasmou em angústia
Urros e gemidos instigantes...

Assim a caça apenas parecia ser o carrasco
Enganando-me pelos ouvidos,
Pelos queixumes daquela que parecia ser sobrepujada sobre ela
Como um leão faminto,
Que apenas bebia de seus lábios
Aquele efêmero momento que seria eterno por minutos,
Até a explosão dos caldos da alegria...

Depois de tudo
O leão passou a ser o cão manso e encoleirado
E os lábios da negra então acalmavam
Enquanto escondia no coração
Um punhal de dor e traição
Por mais que algo dissesse nas entrelinhas
- Fica calmo, confia!?
Quero apunhalar-te pelas costas
e com a mesma estocada acertar o teu coração.

E só assim pude entender
o que dissera um profeta judeu 
sobre sua descoberta
de algo mais amargo que a morte.


* * *
* "Então descobri algo mais amarga do que a morte, a mulher que é uma armadilha, o seu coração é uma rede e os seus braços são cadeias. Quem agrada a Deus consegue dela escapar, mas o pecador se deixa prender por ela."
 - Eclesiastes 7:26

D I V A G A Ç Ã O - III

Nenhum comentário:
D I V A G A Ç Ã O - III 
De: Henrique Musashi Ribeiro - Em, 23/06/2003 



Quando a noite cai 

pousa a sombra de meus dedos 

sobre um bloco de papéis 

e os meus olhos fogem 

como se não pudessem encarar 

nem a lembrança de teus olhos. 



Então eu fecho os meus olhos 

E me lembro do ultimo olhar que trocamos 

De todos os momentos que podíamos 

ter nos olhado, nos beijado... 

mas não olhaste nem beijaste... 



Por que? Não sei! Imagino... 



Lembrei-me do silencio que pousou em minha boca 

quando deveria ter dito algo bom, 

mas lembrei-me que zombaste 

de toda minha poesia e poema.


terça-feira, 2 de outubro de 2012

Meu País

Nenhum comentário:

M E U  P A Í S
De: Henrique Musashi Ribeiro - Em, 22 de Janeiro de 1998.
 
Meu país,
És a minha casa bagunçada
Casa de sogra complacente
pois em ti tudo se permite
como se não pensasse em limites de absurdos
Mas já li em teu manual de moradia
que tudo isso é normal,
pois foste fruto de um erro
ou uma rota enganosa

Que os teus arquitetos
deixaram a tua planta de lado
Então começaram pelo teto
Dizem que foste bom investimento,
mas os verdadeiros donos
não ganharam se quer
o preço de uma saca de cimento
Então me diga:
Foi compra ou foi arrombamento?
Como assim descobrimento?
Mas não já tinha gente dentro?

É! Pros teus brancos
foi uma compra bem legal
E os verdadeiros herdeiros
moram espremidos agora no fundo de teu quintal
Já ouvi dizer que foste uma casa organizada
por filhos e pais desalmados
Que o preço de teu progresso
foi o sangue opinioso impresso
na tua sala de estar
E ai de quem não gostasse de ti
ou ousasse a descordar
Dizem que estes eram logo convidados
a morar em outro lugar

Ó meu Brasil,

Minha casa
Hoje posso pensar,
Tenho estudo, mas não tenho onde trabalhar
E ai como é que eu fico?
Nós somos um pais rico?
O teu hino aprendi a cantar com tanto orgulho
e com tuas cores até já pintei a minha cara
de palhaço,
Mas tudo que nos resta
é um passado de absurdos gloriosos
Que na escola a "tia" dizia
que eu deveria sempre isso ovacionar:
- Viva o tio Dom Pedro I!
- Viva o tio Pedro Alvares Cabral!
- Viva tanto "tio" e tanta "tia"
- Viva cada general
Nossas barrigas cantam
e vibram como um reco-reco
e votamos com cérebros de cuíca

Viva esta terra rica

Viva o nosso carnaval
Vamos jogar maizema na cara do povo
Enquanto o mesmo passa mal
Esta é a terra do samba,
do carnaval e futebol
Viva o povo morrendo
Viva a massa sofrendo
Olhando satisfeito feito bestas o arrebol.

Bom dia Brasil, 2 de Outubro de 2012